Se produjo un error en este gadget.

viernes, octubre 30, 2009

El acuerdo de Honduras, en opinión de Reinaldo Acevedo

SE VOLTAR, ZELAYA TERÁ MENOS PODERES NA PRESIDÊNCIA DO QUE TEM NA EMBAIXADA DO BRASIL
sexta-feira, 30 de outubro de 2009 | 14:39

Foi golpe o que aconteceu em Honduras? Se foi, então é a primeira vez na história que o mundo se mobiliza em favor da institucionalização de um… golpe!

É claro que aquela parte do Itamaraty sob o comando de Celso Amorim, o Megalonanico, dirá que o Brasil foi fundamental na reinstalação de Manuel Zelaya no poder. Ora, que poder? Não terá, se voltar, nem o governo nem as Forças Armadas.

Hugo Chávez, o grupo zelaysta, a OEA (do socialista Miguel Insulza) e o sandinista Miguel D’Escoto, presidente pro tempore da Assembléia Geral da Nações Unidas, flertavam com o adiamento das eleições. Deram asas à tese de que o mandato de Zelaya deveria ser esticado para compensar os quatro meses que ficou fora do poder. Não levaram isso também.

Procurem nos arquivos qual era a posição da OEA e do Brasil desde o começo: RESTITUIÇÃO DE ZELAYA NA PRESIDÊNCIA, COM OS PODERES PLENOS GARANTIDOS A UM PRESIDENTE DA REPÚBLICA. Agora é pra valer: não vai acontecer.

ATENÇÃO: ZELAYA TEM MAIS PODERES HOJE, ABRIGADO NA EMBAIXADA BRASILEIRA, DO QUE TERÁ QUANDO VOLTAR À CASA PRESIDENCIAL, de onde não poderá continuar estimulando o levante civil, como faz hoje.

Insulza, um vigarista
“Não estivemos errados ao insistir na solução do diálogo. Demorou mais do que esperávamos, mas no final tivemos resultados construtivos”. A fala é se Insulza. “Diálogo” uma ova!!!

Este senhor chegou a antecipar uma guerra civil no país e, na prática, justificou a conclamação de Zelaya a que seus partidários resolvessem a coisa no braço. No dia 20 de julho, a sua fala era esta: “No geral, o espírito é evitar a violência e o confronto entre os hondurenhos. Não acho que o caminho do confronto seja bom, mas acho que não vamos evitá-lo se não houver, da parte do governo de fato, alguma, flexibilidade”.

Ainda que as coisas se passassem como ele diz, cabe a um presidente da OEA flertar com o derramamento de sangue, assim, com essa ligeireza?

Isulza tenta agora pegar carona na solução encaminhada pelos representantes do governo dos EUA, que fizeram Zelaya perceber que a Casa Branca acabaria endossando o processo eleitoral, e ele ficaria sem a Presidência DE FATO e sem a Presidência simbólica.

No hay comentarios.:

INTERNET LIBRE

INTERNET LIBRE
LIBRE ACCESO A LA WEB EN CUBA!